29 de setembro de 2009

ser pleno em ser nada


decidi tb eu sentar-me à beira de um lago e esperar...
distraí-me com borboletas, cantei-lhes como se fossem fadas
e adormeci no meu vazio.
e em sonhos, deixei de ser algo para ser nada...
e tornei-me o lago.
e vi-me, tão repleta de imensas coisas.

se lago sou...
direi àquela alma que dorme na minha beira,
que mergulhe em mim,
visão irreal,
do reflexo dos céus
onde tudo é terra.

e em lago...
murmuro às fadas como se fossem borboletas...
e adormeço no meu vazio...
e céu sou.