8 de fevereiro de 2008

faltam-me as palavras... a vontade...
estou naquele meu estado de inércia, confusão espiritual, dor terrena.
a minha âncora por vezes parece a lua que carrego, como quem sustenta o mundo...
parece tão leve... mas a luz pesa eternidades
acho que entendo o porquê da minha âncora "incomodar" tanto o oceano,
ilumina uns, entristece outros.
lamento não conseguir o reflexo no rosto de todos os que amo.
custa-me aceitar que seja um preço justo a pagar...
custa-me ser este o meu alimento.
custa-me... mas entendo.
... cada vez mais...
e não, não quero morrer lentamente
só que... às vezes preferia ser apenas ar, espirito, pensamento...
é tortuosa a minha aterragem, desperta a minha inquietude a minha vontade de não querer descer.
mas ainda é tão cedo...