1 de junho de 2012


e quando sentires o silêncio e a não existência,
de ti mesma, da magia, do sonho...
a desilusão num gesto, num tempo mudo, num ser surdo...
abraça o mundo que te é mais real e fiel.
O teu...
a música, o vento, o mar, o teu céu violeta, a tua fé, a oração, o coração, a compaixão, a criança.
quando sentires falta de um abraço... abraça uma árvore
falta de inspiração, contempla o mar e a tua criação.


e naquele momento em que dar um passo te permite ver o abismo...
talvez signifique que ele apenas ficou para trás.


há dias assim...