13 de novembro de 2010

neblina

diferentes as formas de sentir,
o lamento de perder,
o gemido de doer.
diferentes as madrugadas de solidão,
o apego ao dizer que não,
a vontade de querer.

a neblina que te invade, ou o sol que me magoa,
a luz que te embarga, ou o negro que me assombra.
o frio da tua ausência, ou o calor da minha presença.

diferentes... presentes
distantes, amantes.

no vexo paralisante que é em mim,
sinto-te, gosto-te, mostro-te.
a minh'alma, a meu ser.

e enlaço o meu sorriso em cada amanhecer.
para não nos ver sofrer.
e danço-te quando a coragem tremer,
de abraços e amores,
de ternuras e de cores.