14 de novembro de 2008


vou sentar-me ali...
carregar nos ombros a Lua do Infortunio...
e decidir se vou continuar esta inércia...
vou tentar olhar o horizonte e esquecer a paz podre das águas paradas... vou tentar imaginar-me ali, no meu oceano de pandoras, no meu mundo medieval de ondinas entre lírios de mar.