29 de dezembro de 2007


29-12-2007
por vezes sinto-me assim, sentada num abismo com a luz etérea nas mãos... sentindo que... se cair com ela, caio em plenitude... se desistir, escureço a alma, se a soltar solto a imensidão dos seres que buscam.
Mas, se permanecer assim, sentada, inerte, conformada... ilumino não quem me vê, mas quem me sente.
Para os seres raros e especiais deste mundo que me sentem, julgo ser uma boa opção.
De vez em quando vou ali estar...