26 de dezembro de 2005

pausa


Não tenho aventuras nem desventuras para narrar.
Estou, como se diria, numa pausa cerebral... não me apetece pensar, lamentar nem divagar.
Sinceramente , não me apetece nada. Amava poder alimentar-me e sobreviver apenas com a dádiva de poder contemplar as minhas filhas e vê-las crescer junto com o Pedro... sem problemas, sem cálculos matemáticos e de probalidades... sem preocupações.
Queria somente vê-las sorrir e brincar o tempo todo e contentar-me com beijinhos ternurentos, esses raros momentos em que essas marotas não pedem nada em troca. Queria poder dar-lhes tudo o que merecem, não necessariamente tudo o que pedem... mas tudo o que merecem.
ups, acho que afinal estou a lamentar-me...

raios.. que estúpido vício!
bem... vou fazer outra pausa.

Quero só dizer que a minha Sara está diferente...
além da falta de dentes (fica tão engraçada) está mudada...
cresceu, não sei... está linda.
por vezes dou com ela quieta no seu mundo

e não me deixa espreitar.
Não crescas tão depressa, princesa...
A Joana está novamente em rebeldia, Batalha Naval parte 3!
Temos cabelos em pé temos! Onde fica o botão?
O botão certo? Sim, porque aquele que carrego...
não faz efeito pois ela não obedeçe...
Como é possivel que sejam

tão diferentes as
minhas borboletas?
ok, chega. vou voltar ao meu mundo real...
ainda agora as deixei, já sinto falta delas!
26.12.05