4 de novembro de 2005


Na incapacidade de demonstrar tristeza como defesa,
não quis deixar de pelo menos, escrever aquilo que sinto hoje.
cansada, embora com uma estranha energia que me lembra o tempo que fica antes da trovoada...
pressinto que vêm aí tempos de mudança... em mim e nos outros.
Mas quando a chuva cair, que caia com muita força e na lateral para limpar tudo o que é sujo e falso nesta vida.
Quando o trovão soar que soe bem alto para calar os prepotentes.
Quando o vento soprar, que sopre bem forte para levar a hipocrisia de arrastão.
Mas que leve os que gosto para um bom porto e que a bonanza lhes dê uma digna paz e alento para tudo o que há-de vir de bom.
Para ti miga: um grito de coragem e um empurrão espiritual de sucesso para todos os dias da tua vida!